Ator preso por engano no Rio diz que tirou forças do apoio de amigos

Vinicius Romão foi recebido por mais de 20 amigose familiares (Foto: Káthia Mello / G1)
O ator e vendedor Vinícius Romão de Souza, de 26 anos, preso após ser acusado por uma mulher de tê-la assaltado, disse em entrevista ao Bom Dia Rio nesta quinta-feira (27) que tirou forças do apoio de amigos.
“Eu tinha certeza que os meus amigos estavam fazendo de tudo. Eles sabem da minha índole e isso me dava força. Eu fiquei muito tempo sem ter notícias. É muito difícil porque você não sabe o que está acontecendo, você não sabe se foi esquecido. Só me falaram que o meu pai estava desesperado e eu não podendo fazer nada “, desabafou Vinícius, que foi solto na tarde de quarta-feira (26).
Detido por 16 dias na Cadeia Pública Juíza Patrícia Acioli, em São Gonçalo, Região Metropolitana, ele reencontrou amigos na saída da prisão, que gritaram seu nome, emocionados. Segundo o ator, a “sensação é de liberdade”. “Aproveitei ontem [26] para ficar um pouco com os meus amigos, com a minha família e dei uma coletiva para a imprensa porque vocês abraçaram a minha causa”, contou.
O ator disse ainda que não sofreu maus tratos na cadeia e que o problema foi no procedimento policial. “Não sofri nenhum tipo de agressão nem por parte dos policiais nem por parte das pessoas do meu convívio. O problema que aconteceu foi no procedimento da abordagem até a ida à delegacia. Eu não liguei para o meu advogado quando cheguei [à delegacia] e não foi levado em consideração que eu tenho carteira assinada, ensino superior e residência fixa”, relatou.
“No princípio eu tive muito medo, eu nunca imaginei estar vivendo naquele universo, mas as pessoas do meu convívio me ajudaram, pessoas que já tiveram várias passagens [pela polícia], porque eu tive que conviver com essas pessoas, me confortaram e me disseram como era o procedimento”, acrescentou Romão, que disse ainda que não sabe se vai tomar alguma atitude contra o ocorrido: Essas questões eu estou deixando para o meu advogado. Não tive muita oportunidade de falar com ele”, concluiu.
Perdão
Poucas horas após ser solto, na quarta-feira, o ator falou com jornalistas no playground de seu prédio, no Méier, Zona Norte do Rio. Sobre a copeira Dalva Moreira da Costa, que o acusou, ele disse que ela errou e que a perdoa. Ele disse ainda que é preciso descobrir outros “Vinícius”.
“Tem muitos Vinícius lá dentro. Meus amigos lutaram por mim aqui fora, coisa que eu não podia fazer. Se não fosse por eles, estaria apodrecendo lá como muitas pessoas estão”, agradeceu, sem mágoas da copeira. “Eu não guardo rancor. Ela foi vítima. Pelo que ela diz, foi assaltada, estava nervosa e infelizmente me confundiu. Eu vou ter oportunidade de falar com ela. Só quero dizer que perdoo ela e ela pegou o cara errado”, completou.
Para o ator, o momento mais difícil de toda a história foi quando foi abordado pelo policial na hora do assalto. “Ele apontou a arma pra mim. Foi a parte mais revoltante.”
Condições ‘desumanas’
Vinícius denunciou ainda as condições “desumanas” na cadeia e contou que ficou em uma cela com cerca de 15 detentos, presos por tráfico de drogas e pela Lei Maria da Penha, e dormiu no chão, em papelões. “Eu falei que era neutro e fiquei num lugar que não tinha facção”, explicou. “Meu maior medo foi que fizessem alguma coisa comigo, mas não pelo pessoal do meu convívio. Preferi ficar junto com outras pessoas e não queria ficar sozinho numa cela [tinha direito por ter diploma de curso superior].”
Amigas de Vinícius Romão o aguardaram na saída da cadeia pública em São Gonçalo (Foto: Guilherme Brito/G1)
Amigas de Vinícius Romão o aguardaram na saída
da cadeia pública em São Gonçalo
(Foto: Guilherme Brito/G1)
Mesmo após 16 dias preso injustamente, o ator diz que conseguiu tirar boas lições: “Eu li ‘Polyana’ [clássico da literatura infanto-juvenil], que sempre tira coisas boas de tudo que acontece. O que eu tirei de bom é aproveitar cada minuto. Cada coisa que a gente não leva a sério, como abrir a geladeira e beber uma água. Lá a água eu bebia na hora do banho, quando a gente enchia as garrafas”, contou, ansioso para voltar ao trabalho como vendedor, na loja em que foi efetivado recentemente. “Estou com saudades e sei que eles vão me receber de braços abertos”.
Novo depoimento
Na quarta-feira (26), um oficial de Justiça levou o alvará de soltura à casa de detenção, onde amigos e parentes também o aguardavam. A chegada do alvará de soltura atrasou por falta de luz na Central de Mandados de Alcântara, em São Gonçalo.
Na terça-feira (25), a 33ª Vara Criminal do Rio concedeu habeas corpus a Romão, depois que a copeira Dalva Moreira da Costa, vítima do roubo, afirmou em novo depoimento na 25ª DP (Engenho Novo) que se enganou ao fazer o reconhecimento do ator como o suposto ladrão. Após ouvir o depoimento, o titular da delegacia, delegado Niandro Lima, pediu à Justiça do Rio habeas corpus para o ator.
.A copeira disse que pensou em ir à polícia no dia seguinte para retirar a queixa, mas não tinha dinheiro para a passagem. “Ela admite a hesitação no primeiro reconhecimento dele, o que é natural, porque foi uma ação violenta e ela pode ter se confundido”, explicou Niandro. O delegado disse também que não acredita em má-fé. “Ninguém dos dois teria interesse em prejudicar uma pessoa inocente.”
Mesmo após conseguir a liberdade, Vinícius Romão terá de responder a processo por roubo.
Prisão é investigada
A Corregedoria da Polícia Civil do Rio de Janeiro vai investigar se houve irregularidades na prisão do ator. As condutas do policial Waldemiro Nunes de Frietas Junior, que trabalha na 11ª DP (Rocinha), e do delegado que estava de plantão no dia, Willian Lourenço Bezerra, serão analisadas.
Vinicius disse que o advogado vai cuidar de uma possível ação, mas não confirmou se vai processar. “Eu acho que eu tinha que ligar na hora do ocorrido, mas não consegui, só no dia seguinte”, disse.
Jair Romão de Souza, pai de Vinicius (Foto: Mariucha Machado/ G1)
Jair Romão de Souza, pai de Vinicius preso por
engano (Foto: Mariucha Machado/ G1)
Pai aliviado
O pai de Vinícius, Jair Romão falou sobre como reagiu ao saber da notícia da liberdade do filho. “Graças a Deus, ocorreu tudo bem, como eu esperava. Em momento algum eu admitia ele ter sido o culpado de cometer esse roubo”, disse.
O G1 teve acesso ao registro de ocorrência do caso. No registro, a vítima contou que após o assalto o homem teria pulado o muro da estação de trem para fugir e que dentro da bolsa roubada havia a quantia de R$ 10, um crachá, um celular e documentos. Ela contou também que o homem estava de camiseta e bermuda preta, era negro e tinha o cabelo estilo black power.
No registro de ocorrência, o policial militar que fez a prisão afirma que nenhum pertence da vítima foi encontrado com o ator. “No depoimento, o policial disse que o Vinicius tinha passado o material para uma pessoa conhecida como ‘Braço’, só para justificar a prisão dele, mas não fez nenhuma diligência para procurar essa pessoa”, disse Jair Romão.
Boletim de ocorrência mostra que vítima tinha R$ 10 na bolsa e um crachá (Foto: Mariucha Machado/ G1)
Boletim de ocorrência mostra que vítima tinha R$ 10 na bolsa e um crachá (Foto: Mariucha Machado/ G1) via Gavião da Paraiba
share

0 comentários

Comente Agora

Varjota em Rede - 2013