PSB deve anunciar saída do governo

O ministro dos Portos, Leônidas Cristino, disse através de sua assessoria, que não está confirmada sua saída
Brasília. O PSB se antecipou ao Palácio do Planalto e deve anunciar hoje, a saída do governo da presidente Dilma Rousseff e a entrega dos cargos que tem no governo. O partido se reúne hoje para tentar convencer a ala ´dilmista´ da legenda a acatar a decisão. Também será definido que não haverá retaliação ao PT nos Estados que são governados pelos socialistas.

A decisão da cúpula partidária pode afetar o único ministro cearense do governo Dilma. Na reunião de hoje, ele deverá ser pressionado a sair FOTO: AG. BRASIL

Aliado do governador Cid Gomes (PSB), o ministro dos Portos, Leônidas Cristino, disse através de sua assessoria, que não há nada confirmado sobre a saída dele do cargo. Segundo a assessoria do ministro, ontem o governador Eduardo Campos, também presidente do PSB, esteve no Ministério para conversar sobre questões técnicas, como a ampliação do Porto do Suape e o do Recife, e que não foram tratadas questões políticas.

Os motivos da decisão do PSB foram explicitados ontem, pelo provável candidato a presidente nas eleições de 2014, Eduardo Campos. "Os cargos nunca precederam nem orientaram a aliança que fizemos há mais de dez anos com a frente política que está no poder", disse. "Nossa relação com os governos de Lula e de Dilma sempre foi de apoio desinteressado", completou o governador de Pernambuco.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, Campos comunicou, ontem, ao ex-presidente Lula, por telefone, que o partido entregará os cargos que ocupa no governo.

Dilma teria decidido demitir os ministros do PSB, levando em conta queixas feitas por partidos aliados do Nordeste de uma posição ambígua de Campos, que articula candidatura presidencial contra a petista. Na sexta, o ex-presidente Lula convenceu-a a recuar. Lula acha que ainda é possível que Campos adie a candidatura para 2018. Entretanto, a direção do PSB sentiu-se constrangida com a situação e ontem, durante almoço, Campos defendeu a entrega dos cargos.

Cid Gomes
No encontro de hoje, também haverá uma tentativa de forçar o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), a obedecer o que for decidido pela Executiva. Como ele é favorável a que o partido permaneça no governo, terá de seguir a decisão que for tomada.

Sabe-se que Cid, ao tomar conhecimento de que poderia haver o rompimento com o governo e a consequente entrega dos cargos, quis filiar o ministro Leônidas Cristino no PROS, sigla que está sendo criada.

Mas agora poderá ficar de mãos amarradas. A não ser que deixe o PSB, o que pode ocorrer. Cid Gomes negocia também a filiação de alguns aliados no Solidariedade, o partido que o deputado Paulinho da Força (PDT-SP) está criando.

A reportagem tentou contato com o governador Cid Gomes que ontem estava em Brasília, mas os assessores que estavam com ele não atenderam às ligações telefônicas
Fonte:Diário do nordeste
share

0 comentários

Comente Agora

Varjota em Rede - 2013