ESTUPRADOR É ASSASSINADO EM CELA DE PRESÍDIO


Mais um preso foi assassinado dentro de unidade prisional localizada na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Dessa vez, foi na Penitenciária Francisco Hélio Viana de Araújo, em Pacatuba. O detento Raimundo Luiz Rodrigues Gomes, 42, foi morto, a golpe de cossoco na cabeça, dentro da Vivência 5.



De acordo com levantamento preliminar feito pelo perito Cordeiro Lima, da Coordenadoria de Criminalística (CC), da Perícia Forense do Ceará (Pefoce), aponta que a arma utilizada, objeto perfuro contundente, foi confeccionada com um padrão diferente das costumeiramente feitas por presidiários.

As primeiras informações davam conta de que o crime foi cometido por volta de 22 horas de anteontem. No entanto, Lima descartou esta possibilidade, levando em consideração a rigidez cadavérica. "Pelo estado do cadáver, o crime foi cometido, provavelmente, na manhã de hoje (ontem)", ressaltou.

Estuprador

Raimundo Luiz Rodrigues Gomes estava cumprindo pena por estupro. Três detentos, companheiros de cela, foram levados à Delegacia Metropolitana de Pacatuba, onde prestaram depoimento sobre o crime de morte ocorrido dentro do xadrez.

As identidades dos detentos ouvidos na delegacia não foram reveladas, tendo em vista que eles não figuram, num primeiro momento, como suspeitos do crime. O motivo principal das tomadas dos depoimentos deve-se ao fato de serem companheiros de cela da vítima.

O delegado Leonardo Barreto, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), compareceu à Penitenciária de Pacatuba e conversou com outros detentos da Vivência 5. "O crime que ele cometeu pode ter sido o motivo do assassinato", comentou a autoridade policial, acrescentando que todo o caso ainda na fase de suposições.

O detento Raimundo Gomes é o 19º detento assassinado, neste ano, nas unidades prisionais instaladas em cidades pertencentes à RMF. O caso mais grave ocorreu no fim da noite do dia 11 deste mês, na Casa de Privação Provisória de Liberdade Agente Luciano Andrade Lima (CPPL I), em Itaitinga, quando os internos atearam fogo nos colchões de seus rivais.

A briga entre os detentos resultou em dez óbitos por queimadura e asfixia. Sete tiveram morte imediata e três morreram posteriormente, sendo um a caminho do hospital e dois no Centro de Tratamento de Queimados do Instituto DR. José Frota (IJF). 

Fonte: DN
Foto: Fabiane de Paula
share

0 comentários

Comente Agora

Varjota em Rede - 2013